A DESVINCULAÇÃO DA TESE DAS FONTES SOCIAIS DO ARGUMENTO DA SEPARAÇÃO ENTRE MORAL E DIREITO

  • Orlando Luiz Zanon Junior Universidade do Vale do Itajaí (Univali) de Santa Catarina

Resumo

O objetivo do presente texto é discutir a viabilidade de desvinculação da tese das fontes sociais do argumento da separação entre Moral e Direito, conforme a proposta pós-positivista da Teoria Complexa do Direito. A problemática diz respeito ao problema da negação ou da aceitação de alguma das formas da tese das fontes sociais, haja vista isto refletir inexoravelmente nas bases fundamentais da Ciência Jurídica, com impactos consideráveis no cotidiano dos profissionais da área. A conclusão final é no sentido de que a tese das fontes sociais merece ter assegurada a sua independência perante os argumentos da separação, da indiferença ou da mera diferença, haja vista que, no concernente ao âmbito descritivo da Ciência Jurídica, já restou devidamente assimilado (até pelos juspositivistas) a efetiva existência de relações concretas entre moralidade, eticidade e juridicidade e, segundo, na esfera prescritiva, resta inegável que a Ciência Jurídica, precisamente por ser voltada ao estudo das decisões no cenário social, não pode prescindir da discussão quanto a melhor e mais adequada formação de critérios decisórios para cada comunidade específica, porque ali reside o núcleo da sua função social como ramo específico de estudo. Quanto à metodologia empregada, destaca-se que na fase de investigação foi utilizado o método indutivo, na fase de tratamento de dados o cartesiano e o texto final foi composto na base lógica dedutiva. Nas diversas fases da pesquisa, foram acionadas as técnicas do referente, da categoria, do conceito operacional e da pesquisa bibliográfica.

Biografia do Autor

Orlando Luiz Zanon Junior, Universidade do Vale do Itajaí (Univali) de Santa Catarina
Juiz de Direito. Doutor em Ciência Jurídica pela UNIVALI. Dupla titulação em Doutorado pela UNIPG (Itália). Mestre em Direito Pela UNESA. Pós-graduado pela UNIVALI e pela UFSC. Professor da Escola da Magistratura de Santa Catarina (ESMESC), da Acadêmia Judicial (AJ) e do Programa de Pós-graduação da UNIVALI. Membro da Academia Catarinense de Letra Jurídicas (ACALEJ).

Referências

ALEXY, Robert. Conceito e validade do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

_____. On the concept and the nature of law. Ratio Juris, Oxford, v. 21, n. 3, p. 281-299, 2008.

ATIENZA, Manuel. El sentido del derecho. 6 ed. Barcelona: Ariel, 2010.

BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. São Paulo: Ícone, 2006.

CHAUÍ, Marilena. Introdução à história da filosofia. V. 1. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

DEMO, Pedro. Saber pensar. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

DIMOULIS, Dimitri. Positivismo jurídico: Introdução a uma teoria do direito e defesa do pragmatismo jurídico-político. São Paulo: Método, 2006.

DWORKIN, Ronald. A justiça de toga. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

_____. Justice for hedgehogs. Cambridge: Belknap Press, 2011, p. 405.

_____. O império do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

_____. Uma questão de princípio. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FERRAJOLI, Luigi. Constitucionalismo principialista e constitucionalismo garantista. In STRECK, Lenio Luiz. FERRAJOLI, Luigi. TRINDADE, André Karam (org.). Garantismo, Hermenêutica e (Neo)constitucionalismo. Porto Alegre: Do Advogado, 2012.

_____. Direito e razão: teoria do garantismo penal. 4 ed. São Paulo: RT, 2014.

_____. Garantismo: uma discussão sobre direito e democracia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012.

_____. O constitucionalismo garantista e o estado de direito. In STRECK, Lenio Luiz. FERRAJOLI, Luigi. TRINDADE, André Karam (org.). Garantismo, Hermenêutica e (Neo)constitucionalismo. Porto Alegre: Do Advogado, 2012. p. 250.

_____. Principia iuris: teoría del derecho y de la democracia. V 1. Madrid: Trotta, 2011.

FINNIS, John. Natural law and natural rights. 2 ed. Oxford: Oxford University Press, 2011.

FULLER, Lon L. The morality of law. New Haven: Yale University Press, 1977.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. V 1. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HART, H. L. A. O conceito de direito. São Paulo: Martins Fontes, 2009. p. 221 e 263.

KELSEN, Hans. Teoria geral das normas. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1986.

_____. Teoria pura do direito. 7 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2009.

LUÑO, Antonio Enrique Pérez. Teoría del derecho: una concepción de la experiencia jurídica. 9 ed. Madrid: Tecnos, 2010.

PASOLD, Cesar Luiz. Metodologia da pesquisa jurídica: teoria e prática. 12 ed. rev. São Paulo: Conceito, 2011.

PECES-BARBA, Gregorio. FERNÁNDEZ, Eusebio. ASÍS, Rafael de. Curso de teoría del derecho. 2 ed. Madrid: Marcial Pons, 2000.

PLATÃO. A república. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

POSNER, Richard Allen. Problemas de filosofia do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

RAZ, Joseph. O conceito de sistema jurídico: uma introdução à teoria dos sistemas jurídicos. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

REALE, Giovanni. ANTISERI, Dario. História da filosofia: filosofia pagã antiga. V. 1. São Paulo: Paulus, 2003.

_____. História da filosofia: Patrística e Escolástica. V. 2. 4 ed. São Paulo: Paulus, 2011.

REALE, Miguel. Teoria tridimensional do direito. 5 ed. São Paulo: Saraiva, 1994.

REGLA, Josep Aguiló. Positivismo y postpositivismo: dos paradigmas jurídicos en pocas palabras. Doxa, Alicante (Espanha), n. 30, p. 665-675, 2007.

SANCHÍS, Luis Prieto. Apuntes de teoría del derecho. 5 ed. Madrid: Trotta, 2010.

SHAPIRO, Scott. Legality. Cambridge: Belknap Press, 2013.

STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito. 8 ed. rev. atual. Porto Alegre: Do Advogado, 2009.

_____. Verdade e consenso: constituição, hermenêutica e teorias discursivas. 4 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

TAVARES, Rodrigo. Neopositivismos: novas ideias sobre uma antiga tese. In DIMOULIS, Dimitri. DUARTE, Écio Oto. (Orgs.) Teoria do direito neoconstitucional: superação ou reconstrução do positivismo jurídico? São Paulo: Método, 2008. p. 403.

ZANON JUNIOR, Orlando Luiz. Teoria complexa do direito. 2 ed. Curitiba: Prismas, 2015.

Publicado
30/07/2018
Seção
PUBLICAÇÕES